Hi, How Can We Help You?

Blog

Servidora da UFRGS vence ação judicial contra o Banco BMG

A autora da ação buscou por meio do Banco BMG contratar um empréstimo consignado através da modalidade de cartão de crédito consignado. Essa modalidade de crédito é chamada de “Reserva de Margem para Cartão de crédito Consignado” (RMC), está prevista na Lei nº 13.172/2015 e é concedida a aposentados, pensionistas e servidores públicos, limitada a 5% do benefício ou do salário.

Esse empréstimo aparece no contracheque da seguinte forma:

No caso julgado, a servidora pública contratou um empréstimo de R$ 5 mil reais em julho de 2016. O banco passou a descontar do seu contracheque o valor de R$ 390,19 ao mês. Em 2019 a autora já tinha pago ao banco valor superior a 12 mil reais e ainda recebia todos os meses uma fatura de saldo devedor de mais de 09 mil reais. Caso a autora quitasse o saldo devedor em agosto de 2019 (data do ajuizamento da ação judicial), teria pago 22 mil reais por um empréstimo de 5 mil, mais de quatro vezes o crédito emprestado pelo banco.

De acordo com a juíza, ao mesmo tempo em que o Banco descontava o valor do contracheque, acrescentava um valor a título de encargos de financiamentos:

“Todavia, conforme se vislumbra na mesma fatura (EVENTO 1, FATURA 16), embora conste o débito de R$ 390,19, eram creditados da autora, mensalmente, valores de ”JUROS DE SAQUE” no valor de R$ 322,24 somados a “ENCARGOS FINANC” no valor de R$ 29,29, acrescido de “DÉBITO DE IOF DIARIO” e “IOF ADICIONAL” nos valores de R$ 23,70 e R$ 0,09, respectivamente. Assim, embora a autora tenha tido um débito de R$ 390,19 tinha um crédito total de R$ 375,75, sendo onerada duas vezes, com o desconto do benefício (R$ 390,19) mais os encargos do cartão (R$ 375,75), em benefício do banco réu.”

Na decisão da juíza é possível notar que o banco descontava em folha a quantia de R$ 390,19, mas os encargos acrescidos todos os meses eram de R$ 375,75, portanto, o valor que amortizava a dívida era de meros R$ 27,00 por mês. 

Conforme a Juíza:

“Prova disso é o extrato (EVENTO 1, FATURA16), onde se verifica que, em 02/09/2017 a autora devia, ao banco, a quantia de R$ 9.707,96 enquanto que em 02/09/2018 (EVENTO1 FATURA28) devia a quantia de R$ 9.375,33, ou seja, em 01 ano a dívida diminuiu somente R$ 332,63 não obstante os pagamentos mensais feitos pela autora, descontados diretamente do seu benefício. Nessa senda, tendo em vista que o valor mensal amortizado é de aproximadamente R$ 27,00, a autora levaria cerca de três décadas para amortizar a integralidade do saldo devedor.”

A autora demonstrou no processo a seguinte situação, comparando a contratação da quantia de cinco mil reais através de um empréstimo pessoal comum e de um empréstimo via cartão de crédito consignado:

A autora demonstrou que levaria 30 anos descontando em folha até conseguir saldar a dívida com o banco e que, enquanto não pagasse o valor total da fatura que o banco lhe enviava todos os meses (a qual estava em R$ 9.917,00, mesmo três anos após o início do pagamento em folha), permaneceria sofrendo descontos todos os meses em folha.

Por essa razão, a ação judicial foi julgada procedente para transformar o contrato para contrato de empréstimo pessoal comum, limitando os juros remuneratórios, fixando a taxa de juros praticada pelo Banco Central na modalidade de empréstimo pessoal consignado, cujo mês de referência é julho de 2016, aplicando a taxa de 2,50% a.m. e 30,1% a.a. ao contrato, cujo montante é de R$ 5.000,00. Além disso, o banco foi condenado a devolver a quantia comprovadamente paga a maior pela autora da ação.

Os Tribunais de todo o país vêm considerando essa modalidade de crédito abusiva e acabam por procurar restabelecer um equilíbrio contratual, declarando a nulidade dos descontos em folha para saldar esse tipo de dívida de Reserva de Margem Consignável – RMC, na contratação de cartão de crédito, e convertem a dívida em empréstimo pessoal consignado comum, com a incidência dos juros pela taxa média divulgada pelo Banco Central.

Miriam de Oliveira Fortes – OAB/RS 64.636

 

 

3 Replies to “Servidora da UFRGS vence ação judicial contra o Banco BMG”

  1. jaime Luiz Ferraz Guimarães says: 26 de maio de 2020 at 14:56

    EU TENHO DESCONTO NO MEU CONTRA CHEQUE TODOS OS MÊS O VALOR DE R$ 188,26 AMORT CARTAO CREDITO – PAN 001, E TODOS OS MESES VEM UMA FATURA COM O VALOR TOTAL DE MAIS OU MENOS DE R$5.800,00 REAIS, PODERIA ME AJUDAR DRA., MEU CELULAR É (51) 995525117 WHATS, SOU APOSENTADO DA UFRGS, OBRIGADO.

  2. Valdenir says: 26 de maio de 2020 at 15:25

    Boa tarde
    Eu tenho todo mês descontado do meu contra chegue o valor de 188.00 reais e permanece a dívida de 5mil., gostaria de verificar se posso entrar com uma ação
    Sou funcionário da UFRGS.
    Meu whasap 998298262

  3. Saiba se o empréstimo que você desconta em folha é ou não uma dívida interminável - Miriam Fortes Advocacia says: 3 de agosto de 2020 at 17:10

    […] Num outro caso, recentemente analisado, a consumidora contraiu um empréstimo de R$ 13.647,00  reai…. Contudo, todos os meses recebe uma fatura com um valor do saldo devedor que em maio de 2020 ainda era de R$ 15.949,50 mil reais! […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these <abbr title="HyperText Markup Language">html</abbr> tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*